Twitter RSS
Close

Palmeiras 4 x 2 São Paulo – 27/08/2017

36851248485_f014fb0203_o
O jogador Willian, da SE Palmeiras, comemora seu gol contra a equipe do São Paulo FC, durante partida válida pela vigésima segunda rodada, do Campeonato Brasileiro, Série A, na Arena Allianz Parque (Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação).

Um dia após completar 103 anos de história, apenas uma vitória manteria o clima mais leve para a sequência. E ela veio. Após 3 resultados ruins no campeonato e mais a eliminação da Libertadores, uma derrota no clássico seria desastrosa.

Dominamos o jogo todo, mas saímos atrás do marcador numa falha da defesa. Conseguimos virar e nos acréscimos do primeiro tempo tomamos mais um gol bobo.

As alterações promovidas por Cuca na etapa final surtiram efeito e aos 33′ do segundo ficamos novamente na frente, fechando o placar aos 46.

A vitória nos mantém na 4ª colocação e a diferença para o líder diminuiu para 14 pontos, já que o rival perdeu.

O milagre ainda é possível.

Jogo válido pela 22ª rodada do Brasileirão 2017.

Gols, melhores momentos.

FICHA TÉCNICA

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data: 27/08/2017, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC-Fifa)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (SP-Fifa) e Marcelo Van Gasse (SP-Fifa)
Público: 33.537 pagantes
Renda: R$ 2.195.368,53
Cartões amarelos: SÃO PAULO: Edimar, Arboleda
Gols: Palmeiras: Willian, aos 35 e 37 minutos do primeiro tempo. Keno, aos 33, e Hyoran, aos 46 minutos do segundo tempo;
São Paulo: Marcos Guilherme, aos 12, e Hernanes, aos 51 minutos do primeiro tempo

Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Luan e Michel Bastos; Tchê Tchê, Bruno Henrique (Keno), Moisés e Guerra (Hyoran); Willian e Deyverson (Thiago Santos)
Técnico: Cuca

São Paulo: Sidão; Buffarini, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros; Marcos Guilherme (Denilson), Jucilei, Hernanes e Cueva (Lucas Fernandes); Lucas Pratto (Gilberto)
Técnico: Dorival Júnior

Com cinco vitórias consecutivas, Palmeiras não perde Choque-Rei em casa há 10 anos

Felipe Krüger
Departamento de Comunicação
26/08/2017 – 15h24

O Palmeiras recebe o São Paulo neste domingo (27), às 16h, no Allianz Parque, em busca da manutenção de um tabu que já dura dez anos. A última derrota para o rival do Morumbi no Palestra Italia / Allianz Parque aconteceu em 2007, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro daquele ano. Além disso, o time verde e branco venceu os últimos cinco duelos no local.

Desde 2007, o Alviverde recebeu o São Paulo em seus domínios em oito oportunidades. Foram seis vitórias, com direito a um 4 a 0 e dois 3 a 0, e dois empates. Neste período, o Verdão chegou a ser derrotado como mandante, mas no estádio do Pacaembu, assim como aconteceram outros três triunfos (uma vez no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, e duas vezes no Pacaembu) e duas igualdades (um jogo no estádio Eduardo José Farah, em Presidente Prudente, e um na Arena Barueri, em Barueri).

Considerando apenas jogos na moderna arena palmeirense, que foi inaugurada em novembro de 2014, a vantagem é ainda mais significante: foram quatro partidas e quatro vitórias palestrinas (duplo 3 a 0, 4 a 0 e 2 a 1).

O primeiro Choque-Rei da história do Palestra Italia foi vencido pelo time do Morumbi por 3 a 2, em 1936, mas no mesmo ano, poucos meses depois, o Alviverde tratou de aplicar sonoro 3 a 0 sobre os rivais e iniciar o que seria uma série de 10 jogos de invencibilidade (nove vitórias e um empate).

Já o encontro mais recente, no Allianz Parque, foi disputado no Campeonato Paulista deste ano. Com gol de cobertura do atacante Dudu, o Palmeiras venceu o São Paulo por 3 a 0 – os outros tentos foram anotados por Tchê Tchê e Alejandro Guerra.

Incluindo todas as transformações físicas do estádio Palestra Italia (atual Allianz Parque) ao longo da história, Palmeiras e São Paulo já se enfrentaram 42 vezes no palco do próximo encontro entre as duas equipes; foram 21 vitórias palestrinas, 11 empates e dez reveses.

No cômputo geral, os caminhos das duas equipes já se cruzaram em 308 oportunidades, com uma ligeira vantagem do rival (100 vitórias do Verdão, 99 empates e 109 vitórias do Tricolor). Se levados em conta somente jogos de Campeonato Brasileiro, no entanto, o retrospecto é favorável ao Alviverde: são 20 triunfos em 63 jogos, contra 15 do São Paulo (os outros 28 jogos terminaram empatados).

PÓS-JOGO

Por Eduardo Luiz, da Redação PTD – 27/08/2017 – 17:55h.
Com Willian inspirado, Verdão vence o São Paulo por 4 a 2 no Allianz Parque
Atacante fez dois gols e deu uma assistência na 5ª vitória sobre o rival em 5 jogos na arena; Palmeiras se reabilita no Brasileirão e mantém a quarta colocação.
Com Tchê Tchê e Bruno Henrique de novidades (Dudu nem no banco ficou), o Palmeiras iniciou o clássico tomando a iniciativa. Logo aos 25 segundos Deyverson ajeitou de peito para Tchê Tchê bater fraco, nas mãos de Sidão. Com mais posse de bola, o time do técnico Cuca rondava a área adversária, mas pecava na hora do último passe.

O São Paulo teve a primeira oportunidade aos 6 minutos numa cobrança de falta de Cueva que explodiu na barreira. Aos 12, quando conseguiu trocar 2 passes, o rival abriu o placar; após bicão do goleiro, a defesa apenas observou Pratto tocar para Marcos Guilherme, que superou Prass sem dificuldade: 1 a 0.

Atrás no placar, o Verdão sentiu o baque, deixando de trocar passes como vinha fazendo. Aos 16 minutos Guerra chutou fraco, nas mãos de Sidão; na reposição o goleiro deu a bola nos pés de Willian, que ajeitou e viu ela passar perto da trave esquerda. Aos 17 Guerra tocou de calcanhar para Jean chutar para fora.

Aos 21 minutos, após cobrança de escanteio, Michel Bastos experimentou e isolou. Logo na sequência a partida ficou parada por 5 minutos para atendimento médico ao atacante Lucas Pratto, que foi nocauteado pelo joelho de Hernanes na jogada do escanteio. O argentino deixou o Allianz Parque de ambulância (posteriormente o São Paulo infirmou que ele passava bem).

Após a paralisação o rival só não fez o segundo porque o chute de Marcos Gulherme, aos 31 minutos, explodiu no travessão. E como quem não faz toma… Aos 35 Michel Bastos fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Willian, que aproveitou vacilo do zagueiro para dominar e bater cruzado: 1 a 1.

A torcida presente à Arena ainda comemorava quando aos 37 minutos Willian arriscou um belo chute da entrada da área e acertou o ângulo esquerdo de Sidão: 2 a 1. A espetacular virada animou o Verdão, que foi em busca do terceiro. Aos 47 Tchê Tchê também tentou a sorte de longe e viu a bola passar perto do travessão.

A máxima do “quem não faz toma” acabou valendo também para o Palmeiras, que foi castigado aos 51 minutos depois de um cruzamento despretensioso na área vindo da direita; Jean marcou muito mal Hernanes, que dominou o chutou rápido, no canto direito de Prass: 2 a 2. Antes do árbitro encerrar o movimentado primeiro tempo Moisés ainda conseguiu finalizar com certo perigo, ganhando um escanteio que não resultou em nada.

Sem mudanças, o Verdão voltou para a etapa final num ritmo mais lento, tanto que demorou 12 minutos para finalizar pela primeira vez. Isso aconteceu aos 12 minutos com Tchê Tchê, que errou o alvo. A resposta do São Paulo veio aos 13 num chute por cima de Gilberto.

Com o time mal, aos 15 minutos Cuca trocou Bruno Henrique por Keno. Aos 16, após rebote em cobrança de escanteio, Guerra finalizou por cima. Aos 20 minutos Keno bateu colocado, para fora. O camisa 27 entrou bem no jogo. Aos 23 ele fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Deyverson; o atacante desviou de primeira e parou em ótima defesa de Sidão.

Jogando por nova falha do sistema defensivo alviverde, o São Paulo quase viu a tática dar certo aos 27 minutos; Marcos Guilherme bateu cruzado, a defesa deixou Rodrigo Caio em posição legal e o zagueiro não fez o gol da virada por muito pouco. Logo depois Cuca trocou Guerra por Hyoran.

Aos 28 minutos Keno tentou outro chute colocado, mas mandou nas mãos do goleiro. Aos 29, em rápido contra-ataque pela esquerda, Hernanes invadiu a área e bateu rasteiro, para fora. Assim como na etapa inicial, a lei do “quem não faz toma” voltou a acontecer. Aos 33 minutos Jean lançou Deyverson, o atacante viu Keno infiltrando pelo meio e tocou; o atacante posicionou o corpo e bateu com estilo: 3 a 2.

Para dessa vez segurar o resultado, Cuca imediatamente trocou Deyverson por Thiago Santos. Com seu melhor marcador em campo, o Verdão tratou de disputar cada bola como um prato de comida, justamente o que vinha faltando nos últimos jogos.

Mesmo com mais posse de bola nos minutos finais, o São Paulo não conseguia passar pela marcação do Palmeiras, que estava armado para o contra-ataque. Aos 46 minutos saiu o gol que fechou o caixão do rival: Tchê Tchê inverteu para Willian que tocou para Hyoran: 4 a 2 e fim de papo no Allianz Parque. Foi a 5ª derrota do rival em 5 visitas à arena.

Com a virada, o time de Cuca afunda o adversário na zona de rebaixamento, se reabilita no Brasileirão após 3 rodadas, vai a 36 pontos e mantém a quarta colocação.

Em função dos jogos da seleção pelas Eliminatórias da Copa, o campeonato ficará paralisado por duas semanas; o Verdão volta a campo no dia 09/09 (um sábado) para enfrentar o Atlético-MG, às 16h, na Arena Independência.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.