Twitter RSS
Close

Mirassol 0 x 2 Palmeiras – 10/02/2018

39295791395_15a49af3f3_o
Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Confronto contra o Mirassol traz à tona aquele fatídico jogo de 2013. Junto com o gosto amargo vem a vontade de devolver o massacre e quitar a dívida. Não foi dessa vez.

Jogando para manter os 100% de aproveitamento no campeonato e aprimorar o coletivo, fomos à cidade do interior enfrentar a equipe local.

Tomamos um susto no começo do primeiro tempo quando Lucas Lima salvou uma bola em cima da linha. Em seguida abrimos o placar e administramos o restante da partida. No final ampliamos de pênalti.

Jogo válido pela 6ª rodada do Paulistão 2018.

Gols, melhores momentos.

FICHA TÉCNICA
MIRASSOL 0 X 2 PALMEIRAS

LOCAL: Estádio José Maria de Campos Maia, em Mirassol (SP)
DATA: 10/02/2018 – 19h (de Brasília)
ÁRBITRO: Luis Flávio de Oliveira
ASSISTENTES: Daniel Paulo Ziolli e Evandro de Melo Lima
PÚBLICO/RENDA: 11 mil pagantes / R$ 667.000,00
CARTÕES AMARELOS: Paulinho, Douglas Baggio, Jesiel, Zé Roberto e André Luis (Mirassol); Antônio Carlos (Palmeiras)
GOLS: Borja, 23’/1ºT (0-1); Dudu, 40’/2ºT (0-2)

MIRASSOL: Fernando Leal, Danilo Boza, Jesiel, Edson Silva e Marlon Farias; Wellington Reis, Paulinho, Léo Baiano (Zé Roberto – 10’/2ºT) e Rodolfo (Xuxa – 31’/2ºT); Douglas Baggio e Gilsinho. TÉCNICO: Moisés Egert.

PALMEIRAS: Jailson, Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Michel Bastos; Felipe Melo e Tchê Tchê (Thiago Santos – 43’/2ºT); Dudu, Lucas Lima (Gustavo Scarpa – 27’/2ºT) e Willian (Keno – 21’/2ºT); Borja. TÉCNICO: Roger Machado.

PÓS-JOGO

Verdazzo

Mostrando extrema consciência e controlando a maior parte da partida, o Verdão chegou à sexta vitória consecutiva ao bater o Mirassol por 2 a 0 na casa do adversário, com gols de Borja e Dudu. Com 18 pontos conquistados, o time manteve os 100% de aproveitamento e praticamente encaminhou a classificação, já que tem 10 pontos de vantagem para o terceiro colocado e temos apenas mais seis jogos para o fim do turno.

PRIMEIRO TEMPO

Roger Machado confirmou a entrada de Michel Bastos na esquerda, no lugar de Victor Luis. O Verdão começou a partida com muitas dificuldades diante da marcação avançada do time da casa.

O primeiro lance de perigo aconteceu aos 11 minutos: Douglas Baggio recebeu na intermediária e, mesmo pressionado por Felipe Melo e Tchê Tchê, avançou e bateu cruzado da entrada da área, buscando o cantinho direito de Jailson – a bola saiu por pouco.

A primeira finalização do Verdão veio aos 19, depois que Tchê Tchê interceptou um passe na intermediária ofensiva; a bola ficou com Dudu que tentou o chute cruzado, mas a bola parou na zaga. As dificuldades eram claras.

Aos 21, Rodolfo aproveitou o espaço nas costas de Michel Bastos, contou com um corte malfeito de Willian Bigode e invadiu a área pela direita para finalizar cruzado; Jailson rebateu e Rodolfo recolheu novamente; sem ângulo, rolou para a chegada de Douglas Baggio que tocou para o gol, sem goleiro – mas não contava com a perna esticada de Lucas Lima, em cima da linha, para salvar o gol.

O lance animou o Palmeiras, que chegou ao gol logo em seguida: Marcos Rocha rolou para Felipe Melo, que tentou enfiar para Borja mas Edson Silva rebateu; a bola ficou com Lucas Lima, que aproveitou a projeção de Borja e enfiou para o colombiano, que invadiu a área e tocou no meio das canetas de Fernando Leal, abrindo o placar.

O gol foi o chamado “balde de água fria” sobre o time da casa. O Palmeiras passou a se impor e a ordem natural das coisas foi restabelecida. Aos 33, Felipe Melo articulou, Willian Bigode percebeu Tchê Tchê infiltrando e rolou – o chute saiu cruzado, buscando o canto esquerdo de Fernando leal, que fez boa defesa.

Aos 38, depois de boa troca de passes pela esquerda, Tchê Tchê enfiou para Dudu, que rolou na linha da pequena área, mas Borja não conseguiu chegar para concluir. Aos 41, Borja caiu pela direita, percebeu Willian se projetando pelo miolo e cruzou por baixo; Jesiel furou e o Bigode não acreditou na jogada, perdendo a chance de finalizar. O primeiro tempo ficou no 1 a 0 para o Verdão.

SEGUNDO TEMPO

Os dois times voltaram sem mudanças. Logo a um minuto, Michel Bastos dormiu na lateral da área e permitiu a roubada de bola de Paulinho, que rolou para o meio mas Felipe Melo estava atento e cortou.

O Palmeiras mais uma vez se postou no campo de defesa para controlar o ritmo do jogo. O Mirassol vinha pra cima mas esbarrava num esquema defensivo muito consistente. Assim que roubava a bola, o Palmeiras esticava a bola com Lucas Lima ou Felipe Melo, sempre buscando Willian ou Borja.

Aos 15, Lucas Lima aproveitou a cobrança de falta curtinha da direita e levantou no segundo pau; Borja ganhou do goleiro e cabeceou; a bola ia entrando, mas Edson Silva salvou no último instante. Aos 21, Willian Bigode deu lugar a Keno; aos 27, Gustavo Scarpa entrou no lugar de Lucas Lima, o dono do jogo, aplaudidíssimo.

Oss dois que entraram construíram mais um ataque: Scarpa ligou com Keno pela esquerda; o camisa 11 enxergou Borja fechando e rolou; o colombiano enfiou o canudo, a bola desviou na zaga e saiu a escanteio.

O Mirassol cansou e o Palmeiras aumentou o ritmo. Aos 32, depois de longa troca de passes, Michel Bastos chegou em boas condições e chutou forte, cruzado; Fernando Leal fez boa defesa. Aos 35, Scarpa tocou para Michel Bastos e correu para a área, o cruzamento buscava o camisa 14 mas Fernando Leal cortou parcialmente; a bola caiu com Dudu na direita; ele tinha pouco ângulo mas mesmo assim tentou o arremate, facilitando para a recuperação do goleiro.

Um minuto depois, o Verdão mais uma vez rodou a bola até chegar em Dudu, pelo meio;  ele viu Borja infiltrando pela direita e rolou; o chute cruzado saiu forte, e mais uma vez Fernando Leal teve que trabalhar. Aos 39, já com o Mirassol entregue, o Palmeiras tocou bola até a enfiada de bola de Tchê Tchê para Borja; ele invadiu a área e foi atropelado por Jesiel: pênalti que Dudu executou com perfeição, no canto direito alto.

Aos 43, Tchê Tchê deu lugar a Thiago Santos: os dois fizeram seus centésimos jogos pelo Palmeiras esta noite. Com quatro minutos de acréscimos, Luiz Flávio de Oliveira encerrou a partida.

FIM DE JOGO

Mais uma vez o Palmeiras mostrou sua superioridade controlando o ritmo do jogo. Flertou com um problema ao quase tomar o gol no primeiro tempo, mas soube reagir e construir a vantagem. Deve ser muito irritante para os adversários jogar contra este time.

O time volta a campo no Allianz Parque, na quinta-feira, contra o Linense, para chegar à sétima vitória seguida – algo que não acontece desde agosto de 2013, numa sequência que teve seis jogos pela Série B e um pela Copa do Brasil. VAMOS PALMEIRAS!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.