Twitter RSS
Close

Santos 1 x 2 Palmeiras – 19/03/2017

32697264464_940a33b790_o
Crédito: Fabio Menotti/Ag Palmeiras/Divulgação

Um ótimo jogo na Vila Belmiro com várias chances claras para ambos os lados e milagres operados pelos dois goleiros.

O Santos dominava o segundo tempo e saiu na frente. O gol do adversário mudou o panorama. A partir desse momento só deu Verdão. Fomos pra cima e viramos o jogo.

A vitória nos garante na próxima fase do campeonato com 3 rodadas de antecedência.

Jogo válido pela 9ª rodada do Paulistão 2017.

Gols, melhores momentos, jogo completo.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 2 PALMEIRAS

LOCAL: Vila Belmiro, em Santos (SP)
ÁRBITRO: Flavio Rodrigues de Souza
AUXILIARES: Danilo Ricardo Simon e Tatiane Sacilotti
PÚBLICO/RENDA: 8.732 pagantes / R$ 355.840,00
CARTÕES AMARELOS: Felipe Melo, Jean (PAL)
GOLS: Ricardo Oliveira (SAN); Jean e Willian (PAL)

SANTOS: Vladimir; Victor Ferraz (Matheus Ribeiro 42’/2ºT), David Braz, Lucas Veríssimo e Zeca; Thiago Maia (Rodrigão 46’/2ºT), Renato, Lucas Lima e Vitor Bueno (Vladimir Hernandez 26’/2ºT); Bruno Henrique e Ricardo Oliveira Técnico: Dorival Jr.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Mina, Edu Dracena e Zé Roberto (Willian 33’/2ºT); Felipe Melo, Tchê Tchê, Dudu, Guerra (Egídio – Intervalo) e Keno (Roger Guedes 25’/2ºT); Borja Técnico: Eduardo Baptista

Palmeiras já venceu o Santos 90 vezes pelo Paulistão; confira retrospecto

Felipe Krüger
Departamento de Comunicação
18/03/2017 – 18h01h

O Palmeiras visita o Santos neste domingo (19), às 18h30, na Vila Belmiro, em partida válida pela 9ª rodada do Campeonato Paulista 2017. Será o clássico de número 187 entre as duas equipes pela competição estadual, que registra 90 vitórias alviverdes, 43 empates e 53 triunfos da equipe do litoral paulista.

Mesmo considerando apenas partidas na Vila Belmiro e válidas pelo Paulistão, o Verdão leva a melhor. São 30 vitórias contra 28, além de nove igualdades. Em 1996, inclusive, o Alviverde aplicou a maior goleada palmeirense da história do confronto em plena casa santista: 6 a 0, com gols de Rivaldo (2), Cléber (2), Cafu e Djalminha.

A última partida entre as equipes na Baixada Santista pelo torneio estadual aconteceu em abril de 2016, quando os times empataram em 2 a 2. O Santos chegou a abrir 2 a 0 no placar, mas Rafael Marques, duas vezes, igualou o marcador.

Retrospecto geral

Mesmo no histórico de partidas geral entre Palmeiras e Santos, a vantagem é palestrina. Foram, ao todo, 325 partidas, sendo 136 triunfos alviverdes, 86 empates e 103 derrotas. O Verdão balançou as redes 549 vezes, enquanto o time santista marcou 464 gols.

Rivalidade

Nos últimos anos, os jogos entre Palmeiras e Santos ficaram marcados por grandes decisões. Em 2015, os santistas levaram a melhor na final do Campeonato Paulista, nos pênaltis, mas foram superados, no segundo semestre, na grande decisão da Copa do Brasil, torneio nacional que também foi decidido na marca da cal e conquistado pelo Alviverde após Fernando Prass marcar o último gol da disputa.

Em 2016, novo triunfo santista no torneio estadual, desta vez na semifinal, e nova vantagem alviverde na corrida por um título nacional. O Palmeiras foi campeão brasileiro – o nono de sua história -, enquanto o time da Vila Belmiro ficou com a segunda colocação.

PÓS-JOGO

Fonte: Verdazzo

Num jogaço na Vila Belmiro, talvez o melhor do ano no futebol brasileiro, o Verdão venceu o Santos de virada por 2 a 1, garantiu a classificação à próxima fase com três rodadas de antecedência e assumiu a liderança geral da competição – condição que, caso mantida, garante a vantagem dos mandos nos jogos de volta nas fases de semifinais e finais do campeonato. Com direito a derrota do SCCP na preliminar.

PRIMEIRO TEMPO

O Verdão veio com uma formação mais cautelosa, com Tchê Tchê mais recuado auxiliando Felipe Melo da marcação – o 4-2-3-1. Keno foi escalado, pensando num time mais veloz nos contra-ataques. Assim que a bola rolou, o Santos tentou colocar pressão no começo e logo a um minuto criou a primeira chance: Bruno Henrique tabelou com Vitor Bueno e cruzou; Edu Dracena rebateu e Lucas Lima aproveitou a sobra, mas bateu para fora.

O Verdão aos poucos foi saindo de trás e criou a primeira chance aos 5: Dudu roubou a bola de Lucas Veríssimo na lateral da área; a sobra ia ficar com Borja que foi empurrado por trás por Renato; na queda ele se chocou com Vladimir, que levou a pior. Pênalti que o juiz Flavio Rodrigues de Souza não marcou.

Apesar do gramado molhado, o nível técnico era muito alto e as duas equipes batalharam por cada pedaço do campo. Mas foi a partir dos 18 minutos que o jogo ficou realmente bom, com chances de lado a lado a todo momento. Bruno Henrique levou a melhor sobre Jean e cruzou; a bola bateu em Mina e tirou Prass da jogada, sobrando limpa para Vitor Bueno; com o gol vazio, ele furou e perdeu um gol absurdamente feito.

Dois minutos depois o Verdão respondeu: Dudu recebeu uma bola invertida de Keno pela direita e bateu cruzado, com força – Keno ainda chegou em velocidade e quase empurrou para dentro. Aos 22, Felipe Melo roubou na intermediária ofensiva e abriu para Dudu, que cruzou na cabeça de Borja, mas o arremate não saiu forte e Vladimir defendeu fácil. Aos 28, Dudu tentou bater de fora mas Bruno Henrique travou; o próprio Dudu pegou a sobra, rabiscou pela direita e cruzou – Keno mais uma vez não alcançou, desta vez de cabeça.

O Santos tentou sair de trás e Ricardo Oliveira conseguiu um bom chute de dentro da área, aos 31, mas Fernando Prass defendeu. Mas o Verdão seguia em cima e Keno fez uma ótima jogada individual pela esquerda e cruzou rasteiro; Borja aparou a bola e bateu rasteiro, forte, para uma defesa milagrosa de Vladimir. O goleiro santista saiu jogando errado e Borja, de novo, tentou o gol, mas bateu por cima.

Depois desta pressão do Palmeiras, o Santos reagiu e teve uma sequência muito perigosa de lances. Aos 35, Bruno Henrique fez boa jogada pela esquerda, cortou para o meio e bateu de curva – Prass fez uma defesa excepcional, mandando a escanteio – na queda, sentiu o ombro e assustou a torcida. Na cobrança, a bola foi ao segundo pau e Bruno Henrique, o melhor do Santos, mandou na trave direita de Prass. Três minutos depois, Victor Ferraz fez um lançamento rasteiro rente à lateral para Vitor Bueno, que cruzou por baixo – Ricardo Oliveira tocou de letra, Prass raspou na bola que foi ao travessão – no rebote, Jean salvou gol certo de Bruno Henrique. Um sufoco.

Mas no final, o Verdão devolveu o sufoco com uma ótima sequência: Victor Ferraz fez falta em Zé Roberto aos 45; Borja bateu direto, com força, e Vladimir mandou a escanteio. Na cobrança, Mina escorou e Vladimir fez uma defesa belíssima. Um minuto depois, Guerra entrou na área e bateu; Vladimir deu rebote e Keno bateu cruzado; Borja tentou de letra e Vladimir fez mais um milagre. O primeiro tempo terminou zero a zero, mas bem que podia ter sido 2 a 2 ou 3 a 3.

SEGUNDO TEMPO

O Verdão voltou com Egídio o lugar de Guerra – Tchê Tchê avançou e Zé Roberto tornou-se volante. Aos três, Egídio fez a primeira jogada de apoio e cruzou; a bola espirrou na marcação e Vladimir evitou que a bola entrasse. Mas o Santos veio determinado a abrir o placar e assumiu a iniciativa do jogo com muita intensidade. Aos 11, Vitor Bueno cruzou, Jean rebateu e Ricardo Oliveira chegou batendo, mas Mina, gigantesco, travou o arremate – Lucas Lima ainda tentou aproveitar a sobra mas bateu para fora.

Aos 14, Bruno Henrique deu um ótimo passe para Ricardo Oliveira, que ganhou de nossa zaga e ficou de frente com Prass. Em mais um duelo entre os dois, nosso goleiro cresceu e fez uma defesa dificílima. Aos 17, Mina saiu jogando errado e Ricardo Oliveira aproveitou, desceu pela esquerda e tocou para Vitor Bueno, que fez falta em Egídio. O juiz marcou, mas o lance seguiu mesmo sem valer e Fernando Prass fez mais duas defesas impressionantes.

O Palmeiras deixava o Santos ficar demais com a bola e sofria a pressão. Aos 23, Victor Ferraz bateu de fora, cruzado, e Prass mandou a escanteio. A batida foi curta e Zeca suspendeu na área, na direção de Lucas Veríssimo, que testou firme – Prass foi no rodapé direito e fez outra intervenção esplêndida.

Os treinadores mexeram, sem alterar o esquema tático: Roger Guedes no Keno e Vladimir Hernandez no Vitor Bueno. Aos 29, Dudu tabelou com Egídio, que cruzou – Borja disputou no alto com Vladimir, mas o juiz inventou falta no lance. Aos 30, o Santos chegou ao gol: Victor Ferraz cruzou da direita para Bruno Henrique, que testou para o gol; a bola bateu em Jean e se ofereceu para Ricardo Oliveira, impedido, que tocou para o gol; Mina ainda tentou o corte mas a bola foi para nossas redes. No momento do cabeceio de Bruno Henrique, Fernando Prass estava mais adiantado deixando o camisa 9 santista irregular na jogada.

Imediatamente Eduardo Baptista mandou o time pra cima do Santos, colocando Willian Bigode no lugar de Zé Roberto. Victor Ferraz, cansado, deu lugar ao fraquíssimo Matheus Ribeiro, e o Palmeiras prensou o Santos em seu campo. Um bombardeio.

Aos 33, Tchê Tchê tentou de fora, mas a bola saiu por cima, por pouco. Aos 34, Dudu fez jogada individual pela esquerda e bateu de fora – mais uma defesa de Vladimir. Aos 37, Roger Guedes foi lançado por Borja, levou vantagem sobre Zeca e bateu por cima – Bigode fechava pela esquerda e se Roger Guedes passasse a bola seria gol certo.

O camisa 23 se redimiu em seguida, aos 40: tabelou com Jean, que invadiu a área e, mesmo com pouco ângulo, bateu para o gol, e contou com a colaboração de Vladimir para empatar o jogo. E se a igualdade já se mostrava um bom resultado, a vontade de ir pra cima do adversário rendeu uma linda vitória de virada: aos 42, Roger Guedes meteu um drible da vaca em cima de Zeca e cruzou rasteiro; Lucas Veríssimo apenas raspou na bola e caiu; Willian Bigode apareceu como segundo centroavante e empurrou para dentro. Virada sensacional do Verdão.

O Santos tentou o empate no desespero – Thiago Maia deu lugar a Rodrigão e Fernando Prass defendeu a última chance do Santos ao espalmar um chute forte de Bruno Henrique. Sob mais chuva, o juizão encerrou o jogo.

FIM DE JOGO

Foram muitas chances de gol e os goleiros foram os grandes destaques do jogo. Melhor para o Verdão, que tem Fernando Prass que não falhou em nenhum lance – ironicamente, Vladimir acabou sendo o culpado por nossa reação ao aceitar um chute facilmente defensável de Jean.

O Palmeiras mostrou mais uma vez que não tem queixo de vidro e conseguiu, na raça, virar o placar nos minutos finais. O esquema está cada vez mais encaixado e os jogadores parecem saber exatamente o que fazer em cada situação (menos o Egídio, claro). A vitória deve fazer a imprensa respeitar o Palmeiras muito mais do que vinha fazendo, e o time tende a ser novamente exaustivamente observado e analisado pelos concorrentes, como aconteceu no ano passado. Coisas de quem está no protagonismo do futebol, temos que nos acostumar com isso. VAMOS PALMEIRAS!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.