Twitter RSS
Close

Palmeiras 2 x 0 São Bernardo – 18/04/2016

25910576584_e692c1bd64_o

(Foto: Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)

Futebol básico e sem dar chances para surpresas. Time grande contra time pequeno em jogos decisivos é isso que se espera, mesmo não apresentando um futebol vistoso.

O suficiente para avançar para as semifinais do estadual.

Jogo válido pelas quartas de final do Paulistão 2016.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 0 SÃO BERNARDO

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-Hora: 18/4/2016 – 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Vinícius Furlan
Auxiliares: Alberto Poletto Masseira e Eduardo Vequi Marciano
Público-Renda: 30.731 pagantes. Renda: R$ 1.759.380,50
Cartões amarelos: Gabriel Jesus (PAL), João Francisco, Eduardo, Tatá e Luciano Castán (SBE)
Gols: Alecsandro 35′ 1ºT (1-0) e Gabriel Jesus 41′ 2ºT (2-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Arouca (Gabriel 25′ 2ºT), Matheus Sales, Robinho (Dudu 14′ 2ºT) e Allione; Gabriel Jesus e Alecsandro (Róger Guedes 33′ 2ºT). Técnico: Cuca

SÃO BERNARDO: Daniel, Lucas Néwiton, João Francisco, Luciano Castán e Eduardo; Marino, Cañete e Fellipe Mateus (Tatá 15′ 2ºT); Alyson (Túlio 46′ 2ºT), Walterson e Henan (Jefferson Kanu 23′ 2ºT). Técnico: Sérgio Soares

Palmeiras nunca foi derrotado pelo São Bernardo; confira histórico de partidas

Felipe Krüger
Departamento de Comunicação
17/04/2016 – 10:00h

Adversário do Palmeiras nesta segunda-feira (18), no Allianz Parque, em duelo válido pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o São Bernardo já cruzou o caminho alviverde em outras quatro oportunidades. O Alviverde venceu todos os compromissos anteriores e nem sequer levou gols da equipe localizada no Grande ABC – triunfos por 2 a 0 (2011), 3 a 0 (2013), 2 a 0 (2014) e 1 a 0 (2015).

No primeiro encontro entre as equipes, disputado em março de 2011, no estádio do Canindé, o zagueiro Danilo e o meia Patrik anotaram os gols que garantiram a vitória do Verdão por 2 a 0. Dois anos depois – triunfo por 3 a 0 –, desta vez no Pacaembu, os tentos foram marcados pelo argentino Barcos (2) e pelo chileno Valdivia.

O Mago voltou a balançar as redes em 2014, assim como atacante Alan Kardec, e determinaram o marcador do terceiro jogo da história entre Palmeiras e São Bernardo – 2 a 0 –, também no estádio do Pacaembu.

Já a partida mais recente foi disputada em março de 2015 e terminou 1 a 0 para o Verdão – gol do zagueiro Vitor Hugo, de bicicleta, no estádio Primeiro de Maio, casa da equipe do ABC Paulista.

——————————————————-

Pós-Jogo

Fonte: http://www.verdazzo.com.br/jogo/ficha/id/5876/palmeiras-2-x-0-sao-bernardo

Jogando para o gasto, lutando contra a falta de inspiração de nossos jogadores e com a correria imposta pelo São Bernardo, o Verdão chegou ao placar de 2 a 0 e se classificou para a semifinal do Paulistão. O adversário será o Santos, na Vila Belmiro, provavelmente no sábado – a FPF fará uma reunião na manhã desta terça para oficializar a tabela.

PRIMEIRO TEMPO

Cuca decidiu poupar Gabriel, com desgaste acumulado nas últimas partidas, e mandou Matheus Sales a campo, ao lado de Arouca. A dupla de volantes se mostrou dispersa durante todo o jogo e dificultou não apenas nossa saída de bola, mas também permitiu ao São Bernardo usar de um espaço que poderia ter gerado consequências graves.

Dudu também ficou no banco, por precaução, e mais uma vez o substituto não correspondeu: Allione teve uma noite absolutamente distinta da última quinta, quando brilhou e marcou dois gols – cometeu erros em sequência, matando dezenas de ataques de nosso time. Para fechar a noite infeliz do meio-campo, Robinho também não mostrou nenhuma inspiração, e o que era para ser um jogo tranquilo se tornou perigoso e chato.

Mas o jogo começou agitado: com 14 segundos, Gabriel Jesus conseguiu a primeira finalização, aproveitando de cabeça um cruzamento da esquerda de Egídio. Logo depois, com pouco mais de um minuto, mais uma vez Egídio, desta vez por dentro: ele tocou para Gabriel Jesus na área, e quando ele se preparava para o giro sofreu falta de Luciano Castán: pênalti claro que Vinicius Furlan ignorou.

Foi-se ali a impressão de que o Palmeiras massacraria o São Bernardo. Aos poucos, aproveitando a má noite de nossos meio-campistas, o time de amarelo foi se achando em campo, e se não conseguia um domínio completo da partida foi pela enorme diferença técnica entre os dois times. Mas as chances apareceram: aos nove, Eduardo, deslocado pela esquerda, cruzou rasteiro; nossos volantes deixaram Henan e Alyson livres e por pouco não acontece a finalização.

Aos 18, mais uma chance do visitante: Cañete conseguiu um belo passe para Alyson, que ganhou na velocidade de Thiago Martins e saiu na cara de Fernando Prass, a finalização saiu rasteira e nosso goleiro desviou com o pé. E ele salvaria mais uma vez o Verdão aos 25: desta vez pela direita do ataque do São Bernardo, Walterson conduziu e enxergou Lucas Newiton passando por trás de Egídio; o passe foi preciso e Prass abafou a finalização de forma esplêndida. O São Bernardo não deixava o Palmeiras, preocupado com a marcação, jogar.

Mas o Verdão acordou depois dessas chances e conseguiu encaixar melhor o posicionamento defensivo, impedindo novas investidas. Os laterais puderam voltar a subir e o jogo ficou mais equilibrado. Na qualidade técnica, o Palmeiras chegou ao gol aos 35: Egídio sofreu falta de Lucas Newiton do lado esquerdo, próximo à risca, na altura da grande área. Ele mesmo bateu, no primeiro pau, e Alecsandro aproveitou muito bem, cabeceando no cantinho esquerdo de Daniel, que não teve chances. Na comemoração, a tradicional homenagem ao pai, o palmeirense Lela. O Verdão ainda criou mais uma chance na bola parada, aos 44: da intermediária, Jean mandou um balaço que tinha o endereço, mas Daniel mandou a escanteio. Na cobrança, um escanteio curto desarmado pela zaga que enlouqueceu o estádio e serviu para acabar o primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Sem mudanças, o Palmeiras voltou para o segundo tempo com a mesma falta de inspiração entre os meias. Allione até deu um sinal de que poderia entrar no jogo fazendo sua primeira – e seria a única – boa jogada na partida, ao conduzir a bola pela direita, cortar para o meio e bater forte, buscando o ângulo esquerdo de Daniel, mas a bola saiu. Um minuto depois, Gabriel Jesus fez excelente jogada dentro da área e tocou para trás, na direção de Robinho, livre, e era só fazer. Mas a bola quicou errado no péssimo gramado do Allianz Parque; Robinho mudou de ideia na última hora e tentou ajeitar, perdendo o controle e a chance.

Aos 13, o São Bernardo ameaçou o empate na bola parada: falta da esquerda; Cañete aproveitou que Egídio estava dormindo e recebeu do outro lado, dentro da área; o cruzamento veio forte e Henan não conseguiu direcionar o cabeceio.

Aos 15, Dudu foi a campo no lugar de Robinho, que foi incentivado pela torcida pelo erro que cometeu cinco minutos antes. Enquanto o camisa 7 ainda tentava se achar em campo, o São Bernardo seguia assustando: Tatá, que tinha entrado no lugar do volante Fellipe Matheus, ganhou de Arouca na velocidade, deu sorte na disputa com Vitor Hugo, conseguiu ajeitar o corpo e finalizou: mais uma vez Fernando Prass fechou o ângulo e fez uma importante defesa.

O Palmeiras continuava sem força para matar o jogo. Aos 25, Cuca deu mais intensidade ao setor mandando Gabriel a campo, no lugar do sonolento Arouca – já melhorou bastante. O São Bernardo, no entanto, não aceitava ser eliminado pela contagem mínima e se lançou à frente, para matar ou morrer. O jogo ficou aberto e bem mais interessante. Aos 29, Tatá chutou forte de fora e obrigou Prass a rebater para o lado. O Palmeiras respondeu aos 32, com Allione pela direita: ele recebeu de Dudu, que achou seu espaço em campo como meia organizador; invadiu a área e tinha a chance de bater cruzado para o gol ou de rolar para Gabriel Jesus, que fechava livre; ele escolheu o chute que saiu muito torto – mais um pouco Gabriel poderia ter aproveitado.

Cuca então montou um ataque diferente, promovendo a estreia de Roger Guedes no lugar de Alecsandro – Gabriel Jesus virou centroavante; Allione foi para a esquerda e o jovem reforço que chegou do Criciúma ficou com a direita. Muita velocidade para aproveitar o espaço deixado pelo time de amarelo. O resultado veio aos 41, em lance puxado por Dudu, que enxergou a movimentação de Roger Guedes e Gabriel Jesus, abriu do lado direito para o estreante que passou na medida para o camisa 33 fechar a tampa do São Bernardo.

Roger Guedes já havia participado de pelo menos duas outras jogadas em que se insinuava pela direita, com boas chances de criar jogadas perigosas caso recebesse a bola. Em apenas 15 minutos, deixou uma ótima impressão como mais uma alternativa para o jogo de velocidade, complementando o que Erik pode fazer pela esquerda.

Com o segundo gol, o São Bernardo desistiu do jogo e só restou às duas equipes esperar pelo apito final de Vinicius Furlan, que percebeu as intenções e não prolongou muito o jogo.

FIM DE JOGO

Só não foi uma partida totalmente esquecível pela boa estreia de Roger Guedes. Mas estes 2 a 0 em breve sumirão da memória do palmeirense; apesar de ser um jogo eliminatório, não teve quase nada que mereça uma menção nos botecos alviverdes dos próximos meses e anos.

Cuca mostra a cada jogo que vai achando os caminhos para aproveitar o que o elenco tem de melhor. Mesmo numa noite em que todo o setor de meio-campo estava mal tecnicamente, o time conseguiu se impor, apesar de ter levado alguns sustos. A confiança do grupo segue em alta e o treinador poderá pensar nos próximos dias quais alternativas que o elenco lhe oferece vai usar para surpreender Dorival Junior na semifinal. Seguimos observando. VAMOS PALMEIRAS!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.